Vai redecorar a casa? Veja o trabalho destes 5 designers de interiores

Designers

Ano novo, casa nova. Ou pelo menos no que toca à decoração.
Aproveite o ambiente de renovação do ano novo para dar um novo visual à sua casa. Este é um processo que implica sempre alguma inspiração, por isso, reunimos alguns dos experts mundiais do design de interiores para encontrar algumas ideias e adaptá-las ao seu projeto. Desde os embaixadores do luxo aos que procuram um espaço o mais confortável possível, estes são cinco profissionais da decoração que deve ter como referência:

Rita Konig

A máxima desta designer londrina é a “habitabilidade fácil”. Konig desmistifica a questão da decoração de interiores e explora a sensibilidade dos espaços. Para esta designer, não basta que um espaço pareça bonito, sendo importante que as pessoas se sintam confortáveis nele. Rita Konig é cronista na revista House & Garden, onde dá conselhos e dicas sobre decoração.

Peter Dunham


Com influências francesas, inglesas e norte-americanas, Dunham tornou-se conhecido pelos interiores ecléticos. É através de uma mescla entre estilos mais clássicos e contemporâneos que encontra o equilíbrio e a personalização dos espaços para cada tipo de cliente.

Thad Hayes


Um minimalista assumido, Thad Hayes utiliza cada peça como um essencial em determinado espaço. Adicionar ou retirar alguma peça à decoração final tirar-lhe-ia o equilíbrio. O designer aposta em combinações harmoniosas e suaves, que permitem aos compartimentos respirar.

Alberto Pinto

O ecleticismo e apontamentos de luxo são uma espécie de assinatura de Alberto Pinto, que trabalha com uma equipa de mais de 80 colaboradores. Os projetos executados pelo seu atelier incluem, para além das residências, aeroportos e jatos privados, e podem ser vistos em vários pontos do globo.

KELLY HOPPEN

Uma das mais conceituadas designers de todo o mundo, Kelly Koppen procura em cada projeto a envolvência da decoração com o estilo de vida dos clientes. Consegue uma fusão perfeita entre praticidade e luxo. O seu portfólio inclui restaurantes, escritórios e aviões e iates privados.

Veja também alguns estilos de decoração para se inspirar.

6 estilos de decoração para se inspirar

estilos-decorativos

Existem várias formas de decorar uma casa. Do estilo escandinavo, ao industrial, passando pelo eclético, o importante é sentir-se confortável no seu espaço. Apesar de cada estilo decorativo ter traços muito específicos, é sempre possível misturá-los para conseguir uma decoração ainda mais personalizada. Inspire-se na nossa seleção:

Industrial

industrial

De linhas clean e materiais crus, o estilo industrial caracteriza-se pela predominância de tons pretos, cinza e brancos. A génese desta decoração está nos espaços amplos como armazéns, fábricas e garagens, por isso, o conceito “open space” é um dos seus pilares. Aconselha-se a aplicação estratégica de focos de luz, para evitar que os espaços pareçam demasiado unidimensionais.

French Country Style

french style

Inspirado nas casas das aldeias francesas, este estilo define-se pelos tons pastel, pela mistura de padrões e elegância dos acabamentos rústicos, de que são exemplo os azulejos. O aspeto das casas de campo com traços de modernidade permite criar ambientes confortáveis, propícios ao descanso e ao relaxamento.

Escandinavo

Simples, contemporâneo e funcional, este estilo de decoração é caracterizado pela conjugação de materiais orgânicos e artificiais. A maioria dos interiores com este estilo adotam como tons principais o cinzento, o branco, em visuais muito clean e minimalistas. O aconchego é o principal mote deste estilo, não fossem os nórdicos os maiores fãs do famoso “hygge”.

Náutico

náutico

Brancos, beges e azuis sobressaem neste estilo que reflete muito as decorações das casas de praia. Esta influência decorativa propõe elementos como cordas, âncoras, mapas náuticos e redes, mesmo que de forma mais estilizada.
A luz natural é um fator muito importante em espaços de decoração náutica, assim como os têxteis e mobiliário brancos, que rentabilizam a luminosidade.

Boho-chic

 

boho-chic

Este é um estilo descontraído, algo despreocupado, que conjuga várias cores, padrões e texturas. Os padrões étnicos e tribais são privilegiados. Por norma também se incluem plantas neste estilo decorativo, o que dá um ar mais fresco e dinâmico aos espaços. O que diferencia este estilo do simples Boho é a inclusão de elementos clássicos, como candeeiros e molduras.

Eclético

Este é o estilo que mais liberdade lhe dá, porque não tem tendências definidas. Existem algumas diretrizes, mas o intuito deste estilo é misturar os traços que mais lhe agradam em cada estilo, para criar uma decoração muito personalizada e original. Divirta-se a conjugar cores, padrões e materiais, mas não queira usar tudo ao mesmo tempo, para não perder a consistência dos espaços. Opte por um fundo mais clean, destaque uma peça em particular ou opte por mesclar apenas dois ou três estilos. É importante que ao tentar atribuir personalidade aos espaços não caia no erro de deixar tudo uma tremenda confusão.

Siga a nossa página de facebook e conheça outras sugestões de estilos decorativos.

Conheça a nova coleção Neoclássica BTW

neoclássicaBTW neoclássicaBTW

A ARCH Valadares apresenta a nova coleção Neoclássica BTW.

De design mais minimalista e contemporâneo que a Neoclássica, esta série Back To Wall não compromete o requintado estilo neoclássico que define a coleção.
Inspirada na época do neoclassicismo, com as suas linhas harmoniosas e formas retangulares, agora com a característica Back To Wall, esta é uma solução inteligente para maximizar o espaço no compartimento mais íntimo de sua casa.

Um verdadeiro ícone revivalista da mestria Valadares.

Subscreva aqui a newsletter ARCH Valadares para receber em primeira-mão todas as novidades.

Um centro de investigação sustentável único no mundo

sustentabilidade sustentabilidade

 

O Biosciences Research Building (BRB) é um caso sucesso na arquitetura sustentável e economia da Irlanda. Construído para integrar o campus da Universidade Nacional da Irlanda, em Galway, este projeto foi verdadeiro desafio, levado a cabo no início da recessão irlandesa.

Este importante Centro de Investigação em Biociências trabalha com alta tecnologia dedicada ao estudo do cancro, medicina regenerativa e biologia química. O seu edifício tornou-se num centro de investigação pioneiro na questão da eficiência energética e arquitetura sustentável.

O grande desafio era conseguir erguer um projeto de excelência energética com um orçamento limitado. E o objetivo foi concretizado com sucesso: o valor por metro quadrado no final da obra ficou significativamente abaixo do valor standard para instalações similares e com um retorno energético significativo. Um exemplo de resiliência numa das épocas mais conturbadas da economia irlandesa.

São vários os fatores que destacam o BRB no panorama mundial da arquitetura sustentável. Esta abordagem simples, mas radical e rara assenta em princípios relacionados com a eficiência e rentabilidade dos recursos.

Ventilação natural

Este edifício foi projetado de maneira aproveitar a ventilação e o aquecimento natural a maior parte do ano. Só há recurso a aquecimento radiante durante um mês no ano inteiro. Mais de 45% dos espaços não chegam a necessitar de ventilação mecânica. A abertura das janelas é controlada de forma automatizada, de forma a manter as temperaturas amenas e a ventilação constante. Por outro lado, nos gabinetes individuais, as janelas são controladas pelos próprios ocupantes, de maneira a se ajustarem às necessidades de cada um. Do lado oeste, as janelas automáticas formam uma espécie de corredor térmico, que permite a rentabilização da luz e da corrente de ar, ao mesmo tempo que dão dinamismo à fachada do edifício.

Luz natural

A rentabilização da luz natural foi outra das preocupações presentes na estrutura do edifício. Todos os compartimentos têm acesso a luz natural, com excepção das salas de apoio aos laboratórios, sensíveis à luz. 52% da área do edifício utiliza apenas iluminação natural, durante os meses de verão.

Aproveitamento de águas

Anualmente, em Galway chove cerca do dobro do que chove na capital do país, Dublin. Este facto poder ser uma grande mais valia quando se trata em práticas de sustentabilidade. Para aproveitar essas grandes quantidades de água, a equipa que projetou a Centro de Investigação Biociências contemplou um sistema de gestão de águas pluviais, com diversas opções de tratamento. Pavimentos exteriores porosos e sistemas de filtros no telhado são alguns dos instrumentos que permitem que este edifício necessite apenas 25% da quantidade que seria normal no que toca ao consumo de água canalizada de abastecimento público.

Pormenores que se revelam cruciais

Desde a escolha dos materiais aos acabamentos. Nada foi deixado ao acaso e todos os detalhes respeitaram o princípio maior da sustentabilidade. A superestrutura pré-fabricada foi desenvolvida fora do terreno onde se localiza o edifício, para reduzir a pegada ambiental e minimizar o desperdício de produção. Deu-se também preferência a produtos de origem irlandesa, para favorecer a economia nacional.
Cerca de 70% dos funcionários e frequentadores do BRB chegam ao edifício por transportes públicos, bicicleta ou a pé. O que reflete a sensibilização para práticas sustentáveis que inspirou o projeto desde a primeira instância.

Por tudo isto, o Biosciences Research Building ficou entre os 10 projetos de arquitetura sustentável e design ecológico destacados pelo Instituto Americano de Arquitetos (AIA) e seu Comité de Meio Ambiente (COTE) em 2016.

Conheça as práticas de sustentabilidade concretizadas pela ARCH Valadares.

Banheira ou chuveiro? Opte pelo seu bem-estar

banheira-chuveiro

A instalação de um chuveiro ou de uma banheira numa casa de banho é um processo que implica investimento de tempo e de meios, por isso, é aconselhável que pondere ambas as soluções antes de fazer a escolha.

Cada peça tem vantagens muito próprias e que se adaptam o seu estilo de vida e as suas necessidades.

Saiba quais as principais características de banheiras e chuveiros que deve considerar e conheça ainda as soluções da ARCH Valadares

Chuveiro

Conhecido por ser bastante prático e versátil, esta é uma peça que encaixa em qualquer casa de banho.

  • O reduzido espaço que ocupa é uma das principais vantagens do chuveiro. Existem vários formatos e medidas que permitem rentabilizar o espaço, tornando o chuveiro numa solução ideal para casas de banho mais pequenas.
  • A conveniência é outro dos traços mais admirados nesta peça, porque permite duches rápidos e eficientes.
  • E mais ecológicos, especialmente quando combinados com torneiras termostáticas.
  • Por fim, mas não menos interessante, a acessibilidade é também uma grande mais valia. Todos os elementos da família podem utilizar esta solução sem dificuldades.

 

Base de chuveiro Egg
Base de chuveiro Douro Plus
Base de chuveiro Aqua
Base de chuveiro Danilo
Base de chuveiro Lusa
Base de chuveiro Berna
Base de chuveiro Aris
Base de chuveiro Pádua
Base de chuveiro Luca
Base de chuveiro Duccio

Banheira

A banheira é conhecida como um elemento que concretiza o ambiente relaxante que se procura numa casa de banho. São peças que se destacam inevitavelmente e acrescentam requinte e luxo aos espaços.

  • Com a possibilidade de instalar um sistema de hidromassagem na maioria das peças, esta é uma solução que convida a relaxar ao final do dia.
  • Ideal para famílias com filhos pequenos, pela praticidade no momento do banho.
  • Disponível em vários formatos e tamanhos, a banheira facilmente se adapta a qualquer projeto.
  • Em casas de banho estilo vintage, esta é mesmo considerada a peça rainha.

 

Banheira Classic
Banheira Lux
Banheira Star
Banheira Egg
Banheira Zen
Banheira Plátano
Banheira Pacific

O melhor das duas soluções

Na dúvida, opte por uma banheira com painel de proteção para duche. Esta opção congrega a maioria das vantagens das duas soluções apresentadas . Depois só terá que optar entre o duche e o banho de imersão, com total liberdade e sem condicionamentos. É uma solução híbrida que termina com as indecisões na hora de escolher a melhor peça a instalar na sua casa de banho.

Painel de proteção para duches em banheiras

Porque deve optar por uma torneira termostática?

torneiras termostáticas

Antes de selecionar e comprar uma torneira termostática é importante perceber o que são e quais os seus benefícios. Este tipo de torneiras são uma solução segura, economizadora e cómoda, a adotar nos duches e banheiras de sua casa de banho, porque controlam e mantêm a temperatura da água ao longo do duche.

A ARCH Valadares dispõe de dez tipos de torneiras termostáticas que aliam a funcionalidade à estética. Saiba tudo sobre estas peças e conheça as opções ARCH Valadares.

O que são torneiras termostáticas e como funcionam?

As torneiras termostáticas são peças que incluem no seu interior um termostato. Esse dispositivo, que controla e regula a temperatura da água, permite que esta se mantenha constante durante o duche. Da mesma forma que uniformiza a temperatura da água, o termostato permite também memorizar a temperatura ideal, duche após duche.

Quais os seus benefícios das torneiras termostáticas?

  • Segurança

O primeiro e mais importante benefício é a segurança. As torneiras termostáticas são as mais indicadas para evitar escaldões ou fluxos repentinos de água fria. A permanência da temperatura da água durante o duche, sem variações drásticas de temperatura, torna-o muito mais seguro para adultos, mas especialmente para crianças.

  • Economia

Para além de seguras, as torneiras termostáticas são também uma solução economizadora. Com o termostato que fixa a temperatura pretendida, não é necessário regulá-la até que possa começar a usufruir do seu banho. Isto permite uma poupança substancial de água e de tempo.

  • Saúde

É certo que todos temos uma temperatura ideal para o duche, mas os dermatologistas indicam que o fluxo de água não deve ultrapassar os 44º, sendo que o valor ideal são os 38º. Água muito quente pode prejudicar a hidratação e provocar, inclusive, danos na pele. A temperatura da água no duche pode e deve contribuir para a manutenção de uma pele saudável e bonita. Ao controlar a temperatura da água, as torneiras termostáticas anulam o risco de se escaldar com temperaturas extremas inesperadas, promovendo assim a saúde da sua pele.

As nossas torneiras termostáticas

A ARCH Valadares dispõe de dez torneiras termostáticas para duche e banheira, disponíveis em vários modelos. Algumas soluções incluem limitadores de caudal ou travões de segurança, nos 38º, acresce mais vantagens à aplicação de torneiras termostáticas.

Misturadora GOLD de banheira termostática cromada, com travão de segurança a 38ºC.

Misturadora GOLD de duche termostática cromada, com limitador de caudal 50% e travão de segurança a 38ºC.

Misturadora GOLD de duche termostática de encastrar cromada saída única.

Misturadora GOLD de duche termostática de encastrar cromada de duas saídas.

Misturadora GOLD de duche termostática cromada c/ coluna c/ travão de segurança a 38º.

Misturadora ASSI de duche termostática cromado.

– Misturadora ASSI de banheira termostática cromado.

– Misturadora GOLD de duche termostática cromada c/ coluna extensível e c/ travão de segurança a 38ºC.

Misturadora CALCUTÁ de duche termostática c/ coluna rotativa e chuveiro quadrado.

– Misturadora CAIRO de duche termostática c/ coluna rotativa e chuveiro redondo.

Faça download do nosso catálogo e conheça todos os detalhes técnicos das nossas torneiras termostáticas.

Conheça as tendências na decoração para o Outono/ Inverno 2017

trends

Novas cores, novos tecidos, novos estilos decorativos. O Outono e Inverno vêm cheios de novidades no que toca à decoração de interiores. Além da questão estética, estas novas tendências tornam os ambientes mais confortáveis e apetecíveis de estar, como se pretende nas estações mais frias. Fique a par das novas tendências para este Outono/ Inverno e escolha aquela que mais se adapta a sua casa:

Adeus Branco e Rosa Millennial. Olá Verde, Azul e Preto!

 

O branco e o rosa millennial, que estiveram muito fortes nas estações anteriores, dão agora lugar a cores mais escuras e envolventes como o verde, o azul e o preto.

Dita a tendência que estas cores devem ser adotadas em cenários monocromáticos. Principalmente em salas de estar, estes tons definem-se como ultramodernos. Se os acabamentos dos acessórios decorativos forem matte, perfeito! O truque está em jogar com vários pontos de luz, quentes, de preferência, para criar ambientes acolhedores e mais íntimos.

Colour Blocking

Outra tendência muito forte é o denominado color blocking. Aqui, impera a geometria, para a criação de ambientes dinâmicos e enérgicos.
Aventure-se a brincar com blocos de cor contrastantes, quer na pintura das paredes ou simplesmente nos elementos decorativos. Aposte nas cores escuras e contraste com outras mais claras, como o amarelo ou o rosa blush.

Abra a porta de sua casa ao veludo

Luxuoso e super confortável este é um dos tecidos mais acolhedores para usar nestas estações frias. Combine-o com texturas mais ásperas e naturais, como a madeira, a ráfia ou metais e cerâmicas. Se não houver orçamento para um sofá ou uma poltrona, opte por umas almofadas em veludo.

Geometria nas paredes

Os azulejos estão de volta, mas com mais formatos, mais cores e mais relevos! Quadrados e retângulos já estão ultrapassados e os novos formatos desafiam a geometria de uma forma divertida. Esta tendência é muito versátil, porque permite a conjugação com estilos mais modernos e minimalistas ou mais tradicionais e elaborados.

Opte pelo minimalismo e pela natureza

O minimalismo japonês inspirou esta tendência de decoração para o Outono/Inverno 2017. Linhas bem definidas e equilibradas, peças de artesanato e materiais naturais criam um ambiente sereno e aprazível.

A natureza mantém o destaque que já conquistou nas estações anteriores. As plantas indoor são por isso para manter. Para além de purificarem o ar, criam um ambiente mais natural e vivo. Pondere plantas como a orquídeas, bromélias ou as simples mas sempre bonitas suculentas.

As pedras preciosas também são para ficar em casa esta estação. Mas desta vez, o mármore dá lugar ao quartzo. Tal como nos tons, também nas pedras o branco está ultrapassado. Destacam-se o verde e o rosa, em pedras como o quartzo ou a ágata. Utilize-as como elementos decorativos por si só ou em acessórios como suportes para livros ou caixinhas de arrumação.

Subscreva a nossa newsletter e receba em primeira mão as novidades em tendências de decoração e no mundo ARCH Valadares.

Dicas práticas para remodelações em casa

remodelações

Quando a disposição dos móveis e da decoração deixou de responder às necessidades ou já não agrada, a melhor solução é remodelar os espaços em questão ou mesmo a casa por completo. Uma remodelação permite dar um novo rosto a determinado compartimento, redefinindo o espaço e alterando os elementos decorativos, sem recorrer, necessariamente, a obras.
O principal objetivo de uma remodelação é, de um modo geral, o bem estar. Por isso, antes de avançar com as alterações, imagine-as aplicadas, partilhe as ideias e discuta-as. Eis algumas orientações de remodelação para os principais compartimentos da casa:

Casa de banho


Remodelar uma casa de banho é uma boa oportunidade para conseguir tornar este compartimento num espaço mais acolhedor e relaxante. Antes de avançar com as alterações, atente às seguintes questões:

Opte por uma tendência de decoração

Adopte um estilo decorativo, para ter uma linha condutora à medida que vai fazendo as remodelações e, no fim, tudo esteja em harmonia. Se escolher uma decoração mais clássica, opte por uma coleção estilo revivalista, como a nossa coleção Neoclássica. Se procura uma decoração mais minimalista e moderna, escolha, por exemplo, peças de linhas simples, mas robustas e harmoniosas, como as da coleção One.

Pondere instalar uma banheira

Se a remodelação da casa de banho lhe deixar algum espaço livre, acrescente uma banheira a este compartimento. A presença de uma banheira fará com que momentos de descanso sejam imperativos e incontornáveis no seu dia-a-dia. Mas se não tem espaço suficiente, instale uma base de chuveiro. Esta é uma das soluções mais eficazes para casas de banho pequenas.

Não se esqueça da iluminação – o mais natural possível

No processo de remodelação tenha em conta os focos de luz natural, de forma a rentabilizá-los o mais possível. O truque do espelho é antigo, mas faz sempre sucesso. Coloque um espelho grande num local estratégico, de forma a potenciar a luz que chega através das janelas.

Quarto

Este é outro compartimento onde é essencial garantir que está bem iluminado e arejado. Esta é uma das zonas mais pessoais da casa e onde devemos estar completamente à vontade, para ter noites tranquilas. Invista em decoração em tons neutros e o mais claros possível. Se não quiser pintar, opte por papel de parede ou por elementos em vinil para dar um ar diferente às paredes.

Sala de estar

Na alteração de uma sala de estar, privilegie o espaço livre. Redecorar, sem acrescentar mais elementos, pode ser um grande desafio. Mas é aqui que irá receber a família e amigos e onde passará bons serões, por isso, garanta que há espaço suficiente e que o compartimento respira. Sofá, televisão e alguns objetos pessoais são os básicos, mas há quem aprecie plantas ou queira estar rodeado de fotografias. Lembre-se: o objetivo é que se sinta o mais confortável possível.

Cozinha

cozinha

Neste compartimento, mais do que o sentido estético, deve imperar a funcionalidade. Aqui, vai precisar de espaço para se movimentar e cozinhar confortavelmente. Uma ilha pode ser uma opção a considerar, embora requeira algumas obras. Ainda assim, opte por libertar o máximo de espaço nas bancadas. Também aqui a luz é muito importante, por isso, se não tem um foco de luz natural suficiente, aposte em vários candeeiros e em lâmpadas fortes. No que respeita a cores, opte por tons claros e evite padrões.

Faça download do nosso catálogo e conheça as várias coleções ARCH Valadares que pode adotar numa remodelação a sua casa.

Dê vida às paredes da sua casa de banho

A casa de banho é o espaço onde passamos alguns dos momentos mais íntimos do nosso dia. E, por isso, é um local onde devemos procurar conseguir um ambiente agradável e relaxante. Aproveite as energias recarregadas das férias para dar uma nova apresentação à sua casa de banho. O aspeto das paredes pode dar um bom contributo para atingir esse objetivo. Basta uma mão cheia de criatividade e a escolha dos materiais certos. Inspire-se nas nossas sugestões:

Quadros com emoções dentro

 

Faça uma seleção de imagens que aprecia: obras de arte, fotografias de férias ou mesmo desenhos de crianças da família. Emoldure-os e pendure-os nas paredes da sua casa de banho. Dar-lhes-á um cunho mais pessoal e muito original. Pode também aplicar um ou vários espelhos em molduras. Para além do efeito decorativo peculiar, ganhará mais profundidade e luminosidade no compartimento.

Arrisque nos mosaicos hidráulicos e papel de parede

 

Normalmente associamos os mosaicos hidráulicos e o papel de parede a ambientes mais vintage, mas a verdade é que estas opções podem ser uma alternativa original e moderna aos tradicionais azulejos. O papel de parede desenhado especialmente para casas de banho é uma solução que tem ganho terreno no design destes compartimentos.

Azulejo de pastilha é sempre uma boa opção

 

Esta é sempre a escolha mais acertada para as zonas onde se concentra mais humidade, especialmente junto à banheira ou ao chuveiro. A facilidade de limpeza e o facto de ser totalmente à prova de água, são as principais vantagens deste revestimento. Por outro lado, as infinitas combinações de azulejo pastilha permitem-lhe adaptar esta parede à restante decoração da casa de banho. Na dúvida, opte por cores neutras para que as restantes paredes possam sobressair no aspeto geral do compartimento.

Inscreva-se na nossa Newsletter e receba em primeira mão as sugestões de decoração e novidades ARCH Valadares.

Um dia, todos os hospitais vão ser assim.

O Hospital Geral de Ng Teng Fong (NTFGH) é o primeiro campus médico de Singapura com ambulatório, hospital comunitário e hospital geral de cuidados intensivos. A equipa por detrás deste projeto deu forma aos esforços do Ministério da Saúde de Singapura, para oferecer a todos os cidadãos cuidados acessíveis e de alta qualidade. O complexo, que inclui o Jurong Community Hospital, integra todos os serviços e cuidados médicos num único espaço. Seguindo a mesma filosofia, serviços como imagiologia, farmácia, catering, salas de formação e armazéns, foram estrategicamente alocados de forma a facilitar a partilha entre as diferentes unidades hospitalares. Apoiados por uma estratégia de design sustentável, os arquitetos da CPG (atelier responsável pela obra) criaram uma estrutura que funciona como um jardim de cura vertical. “A cada paciente uma janela” foi um dos requisitos obrigatórios para engenheiros e arquitetos. Espaços verdes e luz natural, assim como o acesso às áreas de vegetação localizadas nos terraços, proporcionam um ambiente terapêutico favorável, contribuindo para o bem-estar físico e psicológico de cada paciente. Setenta por cento das instalações são naturalmente ventilados, e apenas trinta por cento tem ar condicionado. A massa térmica, os ventiladores de teto, a ventilação cruzada e o sombreamento exterior garantem que a temperatura se mantém confortável ao longo do dia. Orientado de forma a reduzir a exposição solar e capturar os ventos circundantes, o hospital possui ainda um inovador sistema de piso que permite o dobro da quantidade de ventilação natural. O projeto também inclui aquecimento solar de água quente térmica, e um conjunto de painéis fotovoltaicos que asseguram a autossuficiência energética. Para conseguir os melhores resultados, os arquitetos usaram modelos detalhados de dinâmica de fluidos computacionais, bem como a análise de sombreamento, análise climática, modelagem de luz do dia e modelagem de energia. Em 2017, o AIA COTE selecionou o projeto como um dos melhores exemplos de excelência em design sustentável.




O Hospital Geral de Ng Teng Fong (NTFGH) é o primeiro campus médico de Singapura com ambulatório, hospital comunitário e hospital geral de cuidados intensivos. A equipa por detrás deste projeto deu forma aos esforços do Ministério da Saúde de Singapura, para oferecer a todos os cidadãos cuidados acessíveis e de alta qualidade. O complexo, que inclui o Jurong Community Hospital, integra todos os serviços e cuidados médicos num único espaço. Seguindo a mesma filosofia, serviços como imagiologia, farmácia, catering, salas de formação e armazéns, foram estrategicamente alocados de forma a facilitar a partilha entre as diferentes unidades hospitalares. Apoiados por uma estratégia de design sustentável, os arquitetos da CPG (atelier responsável pela obra) criaram uma estrutura que funciona como um jardim de cura vertical. “A cada paciente uma janela” foi um dos requisitos obrigatórios para engenheiros e arquitetos. Espaços verdes e luz natural, assim como o acesso às áreas de vegetação localizadas nos terraços, proporcionam um ambiente terapêutico favorável, contribuindo para o bem-estar físico e psicológico de cada paciente. Setenta por cento das instalações são naturalmente ventilados, e apenas trinta por cento tem ar condicionado. A massa térmica, os ventiladores de teto, a ventilação cruzada e o sombreamento exterior garantem que a temperatura se mantém confortável ao longo do dia. Orientado de forma a reduzir a exposição solar e capturar os ventos circundantes, o hospital possui ainda um inovador sistema de piso que permite o dobro da quantidade de ventilação natural. O projeto também inclui aquecimento solar de água quente térmica, e um conjunto de painéis fotovoltaicos que asseguram a autossuficiência energética. Para conseguir os melhores resultados, os arquitetos usaram modelos detalhados de dinâmica de fluidos computacionais, bem como a análise de sombreamento, análise climática, modelagem de luz do dia e modelagem de energia. Em 2017, o AIA COTE selecionou o projeto como um dos melhores exemplos de excelência em design sustentável.O Hospital Geral de Ng Teng Fong (NTFGH) é o primeiro campus médico de Singapura com ambulatório, hospital comunitário e hospital geral de cuidados intensivos.

A equipa por detrás deste projeto deu forma aos esforços do Ministério da Saúde de Singapura, para oferecer a todos os cidadãos cuidados acessíveis e de alta qualidade. O complexo, que inclui o Jurong Community Hospital, integra todos os serviços e cuidados médicos num único espaço. Seguindo a mesma filosofia, serviços como imagiologia, farmácia, catering, salas de formação e armazéns, foram estrategicamente alocados de forma a facilitar a partilha entre as diferentes unidades hospitalares.

Apoiados por uma estratégia de design sustentável, os arquitetos da CPG (atelier responsável pela obra) criaram uma estrutura que funciona como um jardim de cura vertical. “A cada paciente uma janela” foi um dos requisitos obrigatórios para engenheiros e arquitetos. Espaços verdes e luz natural, assim como o acesso às áreas de vegetação localizadas nos terraços, proporcionam um ambiente terapêutico favorável, contribuindo para o bem-estar físico e psicológico de cada paciente.

Setenta por cento das instalações são naturalmente ventilados, e apenas trinta por cento tem ar condicionado. A massa térmica, os ventiladores de teto, a ventilação cruzada e o sombreamento exterior garantem que a temperatura se mantém confortável ao longo do dia. Orientado de forma a reduzir a exposição solar e capturar os ventos circundantes, o hospital possui ainda um inovador sistema de piso que permite o dobro da quantidade de ventilação natural. O projeto também inclui aquecimento solar de água quente térmica, e um conjunto de painéis fotovoltaicos que asseguram a autossuficiência energética. Para conseguir os melhores resultados, os arquitetos usaram modelos detalhados de dinâmica de fluidos computacionais, bem como a análise de sombreamento, análise climática, modelagem de luz do dia e modelagem de energia.

Em 2017, o AIA COTE selecionou o projeto como um dos melhores exemplos de excelência em design sustentável.

Casas de banho disfuncionais? Não caia nesse erro.

casas-disfuncionais

casas-disfuncionaisNão mais vistas como meros espaços funcionais, onde apenas se vai quando a natureza obriga, as casas de banho são hoje verdadeiros templos de privacidade no ritmo agitado dos nossos dias. Ou pelo menos, é assim que as idealizamos. Mas nem sempre a inspiração colhida nas revistas de decoração é suficiente para dar vida ao nosso projeto. Antes disso, é necessário pensar na funcionalidade dos elementos, na sua relação entre si e com o espaço disponível.

Para facilitar nesta tarefa, existem algumas regras que a experiência determinou como lei. O objetivo é garantir que a sua casa de banho seja um espaço prático, equilibrado e harmonioso. Independentemente da decoração pretendida, ou da escolha de cores. Ao contrário do que é habitual, desta vez não vamos dizer-lhe o que deve fazer, mas sim o que não deve fazer.

Chão escorregadio

Materiais como o azulejo vidrado, ou a pedra polida, podem parecer soluções viáveis para o chão da sua casa de banho. Mas na realidade, são um acidente à espera de acontecer. Especialmente quando saímos molhados da banheira e colocamos o pé no chão. Basta um pequeno erro de cálculo e temos visita garantida ao hospital. Claro que para reduzir o perigo de escorregadelas, podemos sempre cobrir o chão da casa de banho com tapetes e toalhas, mas se o caos não é o seu estilo, sugerimos que pondere outras opções.

Ausência de luz natural

O aproveitamento da luz natural é uma tendência generalizada entre arquitetos e decoradores. E as casas de banho não são excepção. Os benefícios são evidentes. Além de permitir maior poupança na fatura da eletricidade, a luz natural confere aos espaços um brilho especial que nenhuma lâmpada consegue reproduzir. Uma janela devidamente orientada (a sul ou a norte, conforme o hemisfério), ou a abertura de uma clarabóia, pode ser o suficiente para tornar o ambiente mais leve e convidativo.

Casas de banho junto à cozinha

Em circunstância alguma as casas de banho devem estar junto da cozinha.
Trata-se de uma questão de higiene e bom senso. Em restaurantes, seguramente já lhe aconteceu ter que dispensar os únicos lugares vagos, exatamente por estarem demasiado próximos da casa de banho. O mesmo se aplica nas nossas casas.

Sanitas viradas para a porta

Neste caso, aquilo que deveria ser um momento de privacidade, pode rapidamente tornar-se numa situação embaraçosa. Numa casa de banho, a sanita deve estar afastada o mais possível da porta, de preferência num ângulo que lhe permita manter a privacidade, caso alguém abra a porta por engano.

Agora que já sabe o que não deve fazer, será mais fácil concentrar-se naquilo que precisa mesmo de fazer. Aproveite as dicas e mãos à obra.

6 passos para uma casa amiga do ambiente

O ambiente está na ordem do dia. Todos os países do mundo juntam-se na tentativa de conseguir travar o aumento da temperatura do planeta. Discutem-se medidas, ajustam-se estratégias e fazem-se cedências, enquanto nós aguardamos, impacientes, na esperança de que cheguem a um acordo estável. Mas enquanto esperamos por medidas a nível planetário, que tal começarmos nós mesmos, com pequenos passos, a dar o nosso contributo para essa luta?

Pensar global e agir local. E que melhor local para começar a proteger o ambiente do que dentro da nossa própria casa?

Para o ajudar nesse processo mostramos-lhe hoje seis passos simples para transformar a sua casa numa habitação amiga do ambiente. Com estas medidas fáceis de aplicar vai proteger o ambiente, mão não só. Vai passar a cuidar muito melhor da sua carteira, e até da sua saúde. São ideias que, comprovadamente, vão baixar as suas contas de água e eletricidade e evitar alergias e resfriados.

shutterstock_128098403

ILUMINAÇÃO

Luz! Precisamos dela sempre disponível. Não há forma de voltar aos dias das velas e dos candeeiros a petróleo. Nem nós queremos. Mas iluminar a nossa vida gasta eletricidade, muita dela proveniente de fontes de energia poluidoras e não renováveis. Na verdade estima-se que cerca de 16% da eletricidade gasta no nosso país é gasta em iluminação, o que representa uma percentagem elevada na sua conta mensal. A solução passa por três alterações no nosso dia-a-dia e na nossa casa.

1ª Utilize a luz natural sempre que possível.É gratuita e torna o ambiente de sua casa mais saudável. Para otimizar esta medida pode optar por pintar as paredes de branco. O branco reflete a luz e maximiza esta dádiva do céu, para além de dar um estilo muito moderno e clean à sua casa. Escolha cortinas bem claras para não fazerem bloqueio à luz solar. Se for possível aumente o tamanho das janelas, ou se comprar uma casa escolha uma com uma boa incidência de luz natural.

2ª Mude as lâmpadas normais por lâmpadas economizadoras. Estas lâmpadas emitem a mesma luz que uma lâmpada incandescente convencional, gastando até menos 80% de energia. Hoje em dia existem várias opções no mercado, mas as mais economizadoras são as com tecnologia LED. São mais caras, mas a médio prazo oferecem uma poupança energética que esbate essa diferença.

3ª Sempre que não precisar desligue as luzes.É só uma questão de hábito.

ÁGUA

A água é um bem essencial à vida no nosso planeta. Nenhum organismo vivo passa sem ela, mas está cada vez mais escassa. É dever de todos contribuir para preservar as reservas aquíferas do planeta, e isso deve começar nas nossas casas.

A casa de banho é a responsável por uma boa parte da água que gastamos, mas não é a única. A cozinha e o jardim também contribuem bastante.

Na casa de banho limite o volume da descarga de água da sanita. Se o seu depósito ainda não tem a opção de limitação, ou de descarga de menor fluxo, use garrafas com água dentro do mesmo para diminuir o volume de água gasto em cada descarga. Substitua as torneiras antigas por torneiras de menor fluxo ou instale limitadores de caudal. Evite usar banheira, e se possível prescinda dela, transformando-a numa cabina de duche. Mas limite o tempo dos duches a cinco minutos. E se for daqueles que não resiste a um belo banho de imersão, use apenas um terço do volume da banheira com água. Quando escovar os dentes desligue a torneira. Recolha a água fria que corre até chegar a água quente, para posteriormente regar as plantas ou para lavagens em casa.

Na cozinha utilize a máquina de lavar loiça. O consumo energético á maior, mas vai poupar água e gás para a aquecer. Instale um limitador de caudal na torneira.

Para o jardim escolha espécies de plantas que precisam de pouca água para viver e faça as regas apenas à noite, para evitar a sua evaporação.

shutterstock_211291741

ISOLAMENTO

É fundamental pensar no isolamento de sua casa. Sabia que, numa casa sem isolamento as perdas energéticas podem ultrapassar os 80%? Imagine o impacto que isso tem no ambiente e na sua carteira. Por isso, antes que o frio aperte, verifique se as suas janelas e portas estão devidamente calafetadas e se o isolamento no sótão está em boas condições. Se for comprar ou construir uma casa garanta que a sua escolha recai sobre uma habitação devidamente isolada. Vai poupar o ambiente e a sua conta bancária.

Eletrodomésticos

Nos dias que correm é impossível viver numa casa sem eletrodomésticos, por mais que isso nos pareça encantador. Ninguém quer, ou pode, levar vinte minutos a passar os vegetais para a sopa. Mesmo assim não é desculpa para termos em casa dezenas de eletrodomésticos só porque nos apetece. Antes de comprar pense bem se precisa de mais esse equipamento na sua cozinha e no impacto que vai ter no ambiente a reciclagem do anterior. Tem uma torradeira funcional, mas apaixonou-se pelo último modelo? É comum… Tente controlar esse impulso.

No entanto, pode ter uma boa desculpa para essa troca. Se o seu novo amor for muito mais eficiente a nível energético a troca é justificável e benéfica para o ambiente. Sempre que precisar de comprar eletrodomésticos novos escolha sempre que possível aparelhos com a classificação energética A++.

shutterstock_318263873

PINTURA

Todos gostamos de cor nas nossas casas. Elas ajudam a construir o caráter das divisões e a estabelecer o estilo dos espaços. Por exemplo, uma parede pintada de azul contrasta com as restantes paredes brancas e contribui para criar uma atmosfera calmante e um estilo moderno. Mas a verdade é que, mesmo uma simples tinta branca, vulgar, está recheada de produtos tóxicos que se libertam, não só na hora de aplicar mas, ao longo dos anos. Prejudicam o ambiente, mas prejudicam também a sua saúde e da sua família. Felizmente há solução. Hoje em dia há uma grande variedade de tintas ecológicas, de base aquosa, no mercado. São menos agressivas para o meio ambiente e para o interior da sua casa.

shutterstock_100812187

MOBÍLIA

A produção de mobiliário para as nossas casas é muitas vezes responsável pelo abate de árvores em florestas tropicais, pela produção de desperdícios tóxicos, pela emissão de gases poluentes ou pela utilização intensiva de água. Para evitar tudo isto, mude as suas escolhas, sempre que possível. Opte por peças de mobiliário produzidas com madeira proveniente de florestas plantadas para o efeito, ou feitas de madeira reciclada. O mobiliário feito de paletes, por exemplo, continua a ser uma das grandes tendências na decoração. Mas há muitas outras opções. Mesas e cadeiras feitas com embalagens tetra pack; bancos de cozinha produzidos a partir de plástico reciclado; poltronas feitas com latas de spray… A imaginação é o limite. Procure marcas com etiqueta verde. Vai ajudar o ambiente.

Fonte: http://bit.ly/1mQjrLN

Como conseguir um ambiente relaxante na casa de banho

ambiente-relaxante

A casa de banho é compartimento mais pessoal e íntimo da casa, por isso, deve ser um espaço harmonioso, simples e tranquilo. É neste espaço que se iniciam e terminam os dias, por isso, o ideal é que transmita equilíbrio e serenidade, que muitas vezes contrasta com os restantes momentos do dia.
Para conseguir um ambiente relaxante e sereno na casa de banho, há algumas dicas a ter em consideração:

Cores neutras

cores_neutras

 

A harmonia entre os tons das louças cerâmicas, revestimentos e o próprio mobiliário deve ser preservada. Os tons neutros, como os brancos, cinzentos, ocres e beges, devem reinar. De uma forma discreta, podem surgir apontamentos coloridos.

 

Materiais crus

materiais_crus

 

Os materiais mais utilizados em ambientes zen são aqueles que estão em estado natural ou pouco industrializados: madeiras ou pedras. Podem usar-se um ou mais tipos de materiais, para conseguir um espaço equilibrado e personificado.

 

Iluminação natural

luz_natural

 

Se for possível, deve optar-se por janelas grandes, de forma a aproveitar a luz natural. Aqui, os revestimentos também têm uma função importante para rentabilizar a luz que entra no compartimento. Caso não seja possível ter janelas grandes, deve apostar-se em focos de luz indireta e subtil, como velas, proporcionando assim um ambiente favorável ao descanso e até à meditação.

Decoração simples

decoracao_simples

 

A eleição de objetos decorativos para um ambiente zen deve ser cuidada. Devem ser elementos suaves, de linhas orgânicas e cores neutras ou pastel. As plantas de interior podem funcionam como elemento decorativo, uma vez que combinam com este tipo de ambiente e conferem naturalidade, equilíbrio e elegância ao espaço.

ARCH Valadares levou sustentabilidade e inovação à ISH, em Frankfurt

Valadares-ISH

 

A ARCH Valadares participou na ISH, de 14 a 18 de março, a maior feira mundial de cerâmica sanitária, construção e tecnologias de energias renováveis. Neste evento bienal, que se realizou em Frankfurt, Alemanha, as empresas participantes apresentaram as suas mais recentes apostas ecológicas em inovação e desenvolvimento.

Sistema Rimless ARCH

No caminho para um futuro mais sustentável, a ARCH Valadares apresentou no certame a nova solução Rimless- que se caracteriza pela eliminação do rebordo/ canal de escoamento das bacias – sistema de descarga/ limpeza das bacias , similar aos já existentes no mercado, mas com um nível de desempenho que permite a limpeza a 100% da superfície.

O sistema Rimless traz a vantagem única de permitir o acesso integral à zona de fluxo de água no interior da bacia, garantindo a limpeza e higiene mais completa do aparelho sanitário. Esta solução, requerida pelo mercado nos últimos anos, representa um desafio quanto à gestão do fluxo da água no interior da bacia, que por defeito não assegura limpeza completa e por excesso promove projeção de água para o exterior.

De facto, é comum verificar que os sistemas Rimless ou não cumprem a exigência do teste dos salpicos ou, se cumprem, não limpam a superfície interna na totalidade. É vulgar ver designações publicitárias do tipo “asseguramos 95% da área limpa”.

Assim o desafio correspondia à concepção de solução que garantisse a limpeza integral e eliminação de salpicos e a construção integral em cerâmica, material que a ARCH domina como poucos e que assegura máxima resistência e durabilidade.

Assim a ARCH, tirando partido da sua longa experiência na conceção de sanitário, concretizou uma solução aparentemente igual a outras já existentes, mas que em detalhe apresenta três diferenças fundamentais:

– Uma limpeza a 100%, cumprindo integralmente a norma europeia;

– Total ausência de salpicos;

– Redução do caudal de água necessário à limpeza.

 

Rimless-Highflush

Sistema Highflush

Foi também apresentado o sistema de descarga Highflush , solução inovadora que se distingue por um melhor desempenho, novas possibilidades de instalação e uma maior comodidade.

O sistema de descarga Highflush, composto por uma unidade de controle, uma electroválvula e uma unidade de alimentação, foi desenvolvido com o propósito de, com uma única solução, ser possível cobrir várias tipologias de instalações sanitárias, como sanitários suspensos, BTW, instalações públicas ou de pessoas com mobilidade reduzida.
A unidade de controle faz parte de placa de comando e controla o tempo de abertura da electroválvula. O acionamento é feito por touch ou por aproximação (depende da parametrização selecionada) de um dedo na parte central da placa de comando. Se o toque ou aproximação do dedo for instantâneo teremos uma descarga de curta duração. Se o tempo de toque ou de aproximação for prolongado (cerca de 3 segundos) teremos uma descarga maior.

Funcionalidades do sistema:

– Modo de limpeza da placa de comando. Esta funcionalidade permite desativar o sistema para limpeza;

– Descarga inteira (4L)e meia descarga (2L);

– Parametrização do tempo de descarga em função das condições de alimentação da rede de abastecimento de água;

– Possibilidade de parametrizar a distância de aproximação para acionamento;Dispensa tanque / reservatório de água, reduzindo ruído de utilização;

– Economia de consumo de estimado de 15%.

É pau, é pedra, é mesmo o seu estilo.

 

É nas linhas irregulares da natureza que encontramos o traço distinto da perfeição. Elementos naturais como a pedra, a madeira ou as conchas, possuem uma energia intrínseca e uma beleza viva que não encontramos nos objetos manufaturados. A singularidade orgânica das suas formas e texturas, contribuem para definir a identidade dos espaços, estabelecendo um diálogo silencioso com a natureza. E o melhor de tudo, é que não têm etiqueta de preço. São uma dádiva da natureza.

Talhados à medida de cada projeto, ou tal como são encontrados no seu estado natural, estes materiais são sempre uma presença inspiradora e um elemento de destaque em qualquer divisão. Desde um simples apontamento decorativo, às peças de maior dimensão, são um estímulo para os nossos sentidos e, ao mesmo tempo, proporcionam uma atmosfera relaxante e acolhedora.

Para os encontrar, nada de confusões. Um belo passeio pelo campo, ou junto à praia, podem materializar aquele banco de madeira que procura para a sala, ou aquela cascata em pedra, que idealizou para a casa de banho.
Sob um olhar mais atento, estes “tesouros” escondidos deixam-se revelar. Mas há que recolhê-los com critério, sendo o respeito pela natureza, o mais importante deles todos.

Em baixo, alguns exemplos que mostram o potencial deste conceito. Inspire-se e dê asas à criatividade.